Entretenimento

Ultimas Noticias

Juiz apontado pela oposição é preso pelo serviço secreto na Venezuela

Resultado de imagem para crise na venezuela

Agentes do Sebin (serviço secreto venezuelano) detiveram neste sábado (22) Ángel Zerpa Aponte, um dos 33 juízes apontados durante a semana pela Assembleia Nacional, controlada pela oposição, para substituir os atuais integrantes do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ). De acordo com o deputado Winston Flores, da agremiação opositora MUD (Mesa de Unidade Democrática), o magistrado foi detido por volta das 18h (19h em Brasília) em uma rua de Caracas e levado em uma caminhonete cinza. Os agentes teriam disparado contra o veículo da irmã de Aponte. O ex-presidenciável Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda, afirmou que o Sebin recebeu ordem para prender os juízes recém-apontados e submetê-los à Justiça Militar. A indicação dos juízes, não reconhecida pelo TSJ, foi um gesto da oposição para aumentar a pressão contra o governo de Nicolás Maduro após milhões de venezuelanos votarem em plebiscito informal no domingo (16) contra a Assembleia Constituinte convocada pelo líder chavista, cuja eleição se dará no próximo dia 30. A escolha dos juízes cabe, segundo a Constituição, à Assembleia Nacional, a partir de lista enviada pelo Conselho Moral Republicano. O Legislativo, porém, está em desacato desde janeiro de 2016 por empossar três deputados impugnados. Na sexta-feira (21), o TSJ havia ameaçado prender os juízes indicados pela oposição "a fim de manter a paz e a estabilidade". A corte também declarou que os parlamentares a decisão da Assembleia Nacional de apontá-los representa "não só o delito de usurpação de funções, mas o de traição à pátria". Usado pelas autoridades para julgar os manifestantes em tribunais militares, onde não há participação do Ministério Público, o delito de traição à pátria é passível de prisão imediata do suspeito. JORNALISTAS AGREDIDOS O sindicato de jornalistas da Venezuela afirmou que cinco repórteres foram agredidos durante uma manifestação em Caracas neste sábado (22) contra o governo de Nicolás Maduro. Um dos profissionais agredidos foi o fotojornalista Luis Díaz, do jornal "La Prensa de Lara", que teve sua câmera roubada e ficou com duas costelas fraturadas. A marcha foi convocada pela oposição para apoiar a indicação dos juízes para o TSJ e demonstrar rechaço à Assembleia Constituinte. A polícia reprimiu o protesto com gás lacrimogêneo e balas de borracha. Adversários de Maduro consideram que a Constituinte é uma tentativa do líder chavista de se manter no poder apesar de sua baixa popularidade. A escolha dos integrantes da Constituinte se dará de maneira colegiada, o que, para a oposição, representa uma violação do direito ao voto universal e direto. A Venezuela registra desde abril uma onda de saques e protestos contra o governo, a qual já deixou cem mortos.

Nenhum comentário