Entretenimento

Ultimas Noticias

Secretária de comunicação do AM, Daniela Assayag, pede exoneração após denúncias na CPI da Saúde e Operação Sangria


A secretária de comunicação do Governo do Amazonas, Daniela Assayag, pediu exoneração do cargo neste domingo (5). A Polícia Federal investiga o envolvimento do marido da secretária no esquema de superfaturamento na compra de respiradores para o Estado.

Daniela publicou no início desta noite, em suas redes sociais, o pedido de exoneração do cargo enviado ao governador Wilson Lima - que também é investigo pela PF dentro da operação Sangria. No texto, Assayag diz que a decisão foi tomada “em virtude dos acontecimentos que emergiram na última semana". Ela cita a exposição de situações que questionam seus atos enquanto secretária de comunicação.

O G1 tentou entrar em contato com Assayag, mas não obteve resposta. O governo também foi contactado, mas não deu retorno até a última atualização desta matéria.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde afirmou, na última quarta-feira (1), que o marido de Daniela é sócio de uma das empresas investigadas pela Polícia Federal no esquema de superfaturamento na compra de respiradores pelo governo durante a pandemia. O nome dela foi citado pelo ex-secretário de saúde, Rodrigo Tobias, ouvido pela CPI na segunda-feira (29).

Documentos apreendidos pela PF mostram que o médico e empresário Luiz Carlos Avelino Júnior, marido de Daniela, era o sócio oculto da Sonoar, nome fantasia da Andrade e Mansur Comércio de Materiais hospitalares. A empresa superfaturou a venda de 28 respiradores para a loja de vinhos FJAP, em oito de abril. No mesmo dia, a loja de vinhos revendeu os equipamentos ao governo do Amazonas por quase R$ 3 milhões, quantia 133% mais alta do que o valor de mercado.

Na operação Sangria, a PF prendeu oito suspeitos de envolvimento no esquema, entre eles, a secretária de Saúde, Simone Papaiz, e sócios das empresas envolvidas - todos já foram soltos. Já o governador Wilson Lima, do PSC, teve os bens bloqueados pela Justiça.

No mesmo dia em que houve a denúncia na CPI, Assayag afirmou que o marido não é sócio da empresa e que já teria iniciado processo de distrato com a mesma.

A empresária Renata Mansur, citada como sócia da Sonoar e presa na operação também citou o nome do marido da secretária de comunicação em depoimento à Polícia Federal. Ela afirmou, ainda, que foi coagida a ficar "quieta de tudo" porque o médico não poderia aparecer por ser esposo da secretária.

Confira o pedido na íntegra:
Solicito à V.Sa. a minha exoneração do cargo de Secretária de Comunicação do Governo do Estado do Amazonas, a partir da data de hoje, 05 de julho de 2020, em virtude dos acontecimentos que emergiram na última semana expondo situações em que a lisura de meus atos enquanto Secretária de Comunicação deste Governo está sendo questionada.

Acredito que minha saída da Secretaria de Comunicação permitirá que a apuração dos fatos possa se realizar com seriedade e profundidade. E que sejam esclarecidas as ilações sobre atitudes e comportamentos não condizentes com a minha prática profissional.


Nenhum comentário